Resenha: Destino La Templanza, Maria Dueñas

09:00:00 2 Comments A+ a-

Título: Destino La Templanza
Autora: Maria Dueñas
Editora: Planeta
Páginas: 480
ISBN: 978-85-422-0549-7
Lançamento: 2015
Gênero: Romance
Onde comprar: Livraria Cultura - Amazon
Links: Skoob
Avaliação: «««««

Sinopse: Mauro Larrea jamais imaginou que perderia, por um azar do destino, a fortuna acumulada depois de anos de trabalho árduo. Afogado em dívidas e incertezas, aposta seus últimos recursos em uma jogada imprudente, que lhe dará uma oportunidade para se reinventar. Até que a perturbadora Soledad Montalvo, mulher de um marchant de vinhos de Londres, entra de forma misteriosa em sua vida, arrastando-o para um futuro que jamais suspeitou.
Da jovem república mexicana à radiante Havana colonial; das Antilhas a Jerez da segunda metade do século XIX, quando o comércio de vinhos com a Inglaterra transformou a cidade andaluz em um lendário enclave cosmopolita. Transitando por todos esses cenários, Destino: La Templanza é um romance sobre glórias e derrotas, minas de prata, intrigas familiares, vinhedos, vinícolas e cidades soberbas cujo esplendor se desvaneceu com o tempo.

Meu primeiro encontro com a Maria Dueñas foi com o primeiro romance dela O tempo entre costuras, livro de 2009, recomendado por um querido professor meu das aulas de espanhol. Foi paixão ‘a primeira leitura’. Foi com muita vontade que li também A melhor história está por vir (ou Misión Olvido em espanhol), seu segundo romance.

Em agosto de 2015 a Editora Planeta lança o terceiro romance da autora em português: Destino – La Templanza, com direito a sessões de autógrafos e conversas com a autora aqui em São Paulo, em Curitiba e no Rio de Janeiro. Como boa fã, fui conhece-la e de quebra receber um lindo autógrafo. Quer coisa melhor que receber carinho dos seus autores favoritos?

Assim como nos primeiros dois livros o lado histórico é muito presente. No caso de La Templanza o período escolhido foi a segunda metade do século XIX na recém instaurada república Mexicana e o fim do ciclo da prata, a capital da ilha de Cuba La Havana e por último a cidade de Jerez, na Espanha andaluza.

A pesquisa histórica é uma característica forte da autora, que tem como método pesquisar os hábitos, vestimentas, linguagens, locais, arquiteturas de cada local e período escolhidos antes de começar a escrever a história em si. Dessa forma a história ganha um tom mais verídico e o leitor acaba imerso em um mundo criado apenas pelas palavras dela. 
Percebendo como suas roupas de excelente tecido inglês eram desconfortáveis nas temperaturas do trópico, percorreu sem rumo definido a extensa trama de ruas estreitas que formavam o coração de Havana. Em nada se pareciam com as ruas pelas quais transitava diariamente no México, apesar da língua em comum. Empedrado, Aguacete, Tejadillo, Aguiar. E, de repente, uma praça. A de San Francisco, a de Cristo, a Vieja, a da Catedral: tudo misturado em uma emaranhada promiscuidade arquitetônica e humana na qual armazéns de bacalhau seco ocupavam os térreos alugados das mais régias mansões, e onde bugigangas e as lojas de quinquilharias conviviam parede com parede com grandes casas nobres. - p.120
Ao contrário de O tempo entre costuras e Misión Olvido, o personagem principal da história é um homem: Mauro Larrea, espanhol radicado no México, homem que agora pertence a elite da sociedade mexicana e que construiu sua fortuna com o garimpo da prata. O livro começa com o seguinte parágrafo:
O que passa pela cabeça e pelo corpo de um homem acostumado a triunfar, quando em uma tarde de setembro, se confirmam seus piores medos?
O que você leitor, espera desse livro? Posso dizer que é ótimo. Acompanhar o trajeto de Mauro em busca de uma nova identidade e quem sabe um novo amor?, nas cidades já citadas (Cidade do México, Havana e Jerez). Acompanhar cada decisão do personagem em busca de um futuro melhor e o que o leva a decidir mudar de cidade mais de uma vez no livro?
Os ventos inesperados nos impulsionam, algumas vezes, a tomar o caminho de ida, outras vezes, o caminho de volta, e com frequência não vale a pena nada contra a corrente. - p. 316
Com a Maria Dueñas você torce pelo personagem, sonha com ele, e espera que no fim tudo dê certo. Recomendo muitíssimo o livro, pois para mim quando acabei de ler fiquei com aquele sentimento de órfã. E isso sempre é sinal de que o livro cumpriu seu papel de fazer você esquecer por breve da realidade e ser apresentada a um mundo do qual você não faz parte.
E assim, corpo com corpo, mão com mão, o torso roçando o colo soberbo dela e o queixo quase acariciando a pela nua de seu ombro, cheirando-a, sentindo-a, poderia ter ficado até o dia do Juízo Final. Sem se importar com o frenético passado que tinha deixado para trás e o futuro inquietante que o aguardava. - p.355

27 anos, arquiteta, restauradora e nas horas vagas fotógrafa e masterchef. Bookaholic morando nas terras do Tolkien, Lewis, Rowling, Dahl, Carrol.

2 comentários

Write comentários
Diane
AUTHOR
16 de março de 2016 14:12 delete

Oie...
Achei o livro uma graça... e olha que eu nem conhecia, heim? A capa está maravilhosa linda e bem que desejava que ela tivesse em minha estante rsrsrs...
Gostei principalmente do livro ser passado no México, que é algo diferente pra mim, pois, os livros sempre se passam nos EUA ou Londres.
Livros que se passam em outras épocas sempre me agradam também.
Adorei seu cantinho é super bonito.
Beijão

http://coisasdediane.blogspot.com.br/

Reply
avatar
16 de março de 2016 14:56 delete

Obrigada Diane! Se você se interessou por esse procura o primeiro romance dela, que é o "Tempo entre costuras", esse se passa Espanha/Marrocos década de 1930/40. É muito bom também!

Beijos!

Reply
avatar