Resenha: The Magician's Land (Trilogia Os Magos #3), Lev Grossman

setembro 27, 2016 1 Comments A+ a-


Título: The Magician’s Land
Autor: Lev Grossman
Editora: Viking Adult
Páginas: 416
ISBN: 978-06-700-1567-2
Lançamento: 2014
Gênero: Fantasia
Onde comprar: Livraria Cultura
Links: Skoob
Avaliação: ★★★★
Sinopse: The stunning conclusion to the New York Times bestselling Magicians trilogy. Quentin Coldwater has lost everything. He has been cast out of Fillory, the secret magical land of his childhood dreams that he once ruled. Everything he had fought so hard for, not to mention his closest friends, is sealed away in a land Quentin may never again visit. With nothing left to lose he returns to where his story began, the Brakebills Preparatory College of Magic. But he can’t hide from his past, and it’s not long before it comes looking for him. Meanwhile, the magical barriers that keep Fillory safe are failing, and barbarians from the north have invaded. Eliot and Janet, the rulers of Fillory, embark on a final quest to save their beloved world, only to discover a situation far more complex—and far more dire—than anyone had envisioned. Along with Plum, a brilliant young magician with a dark secret of her own, Quentin sets out on a crooked path through a magical demimonde of gray magic and desperate characters. His new life takes him back to old haunts, like Antarctica and the Neitherlands, and old friends he thought were lost forever. He uncovers buried secrets and hidden evils and ultimately the key to a sorcerous masterwork, a spell that could create a magical utopia. But all roads lead back to Fillory, where Quentin must face his fears and put things right or die trying.

Antes de começar a resenha deixo aqui um aviso. Esse livro é o último da trilogia “Os Magos” (The Magicians) de Lev Grossman. Os dois primeiros volumes foram publicados no Brasil pela editora Amarylis, no entanto o terceiro ainda não foi publicado e por isso tudo se refere a edição da Viking Adult, que foi a que eu li. Optei também por manter o título em inglês, por essa mesma razão.

Bom gente, chego ao fim dessa trilogia que me deixou com muitas ideias na cabeça, ao mesmo tempo frustada e ao mesmo tempo muito empolgada. Se você ainda não leu os dois primeiros volumes e não está a fim de levar um belo spoiler, pare por aqui e confira as resenhas dos dois livros anteriores: Os Magos (Trilogia Os Magos #1) e O Rei Mago (Trilogia Os Magos #2).

“It was ending too soon, the way everything did, everything except Ebola viroses and really bad people like psychopaths. Those things never ended. How was that fair? Fuck it, it was stupid. Theories about life were Always bullshit”. [GROSSMAN, The Magician's Land]

No fim de “O Rei Mago”, Quentin, Julia, Eliot, Janet, Josh e Poppy chegam no fim de Fillory e cada um segue seu caminho. Julia vai para o outro mundo, Quentin é banido de Fillory e os outros quatro continuam seu reinado como os dois reis e duas rainhas. É um pouco depois disso que começa o “The Magician’s Land”, quando acompanhamos Quentin Coldwater em suas atividades para voltar a ter uma vida normal, no caso sem a terra de Fillory.

Quentin se envolve com um grupo clandestino que tem como tarefa roubar um objeto valioso de um grupo de magos. Não vou falar mais nada que isso sobre a história. A quantidade de informações que nos é passada nesse livro é absurda e qualquer coisa pode ser spoiler. A história é organizada de maneira que temos flashbacks de Quentin que explicam o por quê de ele estar ali naquele momento. O livro é basicamente sobre dois grandes projetos que Quentin cria para seguir a sua vida, e um deles é sensacional. Sério, nem acreditei quando eu li.

Muitos conceitos bacanas são apresentados no livro, como a ideia de criação de mundos e o que a religião tem a ver com isso. Finalmente o personagem de Quentin amadurece de verdade e isso resulta em algumas ações muito interessantes tanto para o personagem como para a trama. Temos personagens novos, personagens antigos voltando e claro os mesmos personagens presentes no livro anterior.

Apesar da recorrência dos personagens e de eles fazerem suas aparições, ainda acho que alguns poderiam ter sido explorados mais, como Julia que quase não está presente no livro e sua participação é bastante questionável, e Eliot e Janet.

Como já havia comentado nas resenhas anteriores Lev Grossman parece não querer desenvolver a narrativa do universo que ele mesmo criou. Tomando como base autores de fantasia e ficção como Tolkien e George R. R. Martin, que criam uma rede de informações, detalhes e desenvolvimento de personagens que transforma o universo que criaram em algo muito palpável, Lev Grossman deixa muito a desejar.

Ao ler a trilogia se percebe que você tem nas mãos um material que pode resultar em muito mais páginas delirantes. São conceitos de física, química, biologia, relação entre mundos (adoro o fato de que Grossman considera Hogwarts, Nárnia e a Terra Média mundos que existem), religião e personagens com problemas, questionamentos muito reais; tudo isso pede por mais atenção na narrativa. Não sei se foi por preguiça, se foi por opção, apenas sei que é uma pena, porque a história de Quentin e Fillory é fantástica.

Foi também lendo o terceiro livro que fui apresentada a alguns conceitos e cenários que já aparecem na primeira temporada da série ‘The Magicians’ do canal ScyFy.

E por último, quero deixar aqui registrada minha decepção por terem usado o lema “Harry Potter para adultos” como chamariz para novos leitores. Funcionou para mim, funcionou, mas o certo seria “Narnia para adultos”, pois os conceitos de C. S. Lewis são muito mais presentes na narrativa toda do que o mundo criado por J. K. Rowling. O livro “The Magicians Land” começa inclusive, com uma citação do livro “The Last Battle”: “Further up and further in!”.

“But you, Quentin, you I understand. You are like me. You have ambition. You want to be great wizard. Gandalf maybe. Merlin. Dumb-bell-door”. [GROSSMAN, The Magician's Land]

Termino esta resenha recomendando esse livro e essa trilogia para todo mundo! O que acharam? Mais alguém já leu? Deixe seu comentário!


27 anos, arquiteta, restauradora e nas horas vagas fotógrafa e masterchef. Bookaholic morando nas terras do Tolkien, Lewis, Rowling, Dahl, Carrol.

1 comentários:

Write comentários
28 de setembro de 2016 09:09 delete

Oi, Aline!
Realmente está mais pra Nárnia para adultos que HP. Falam HP por conta da magia e tals...
Eu acho que vou ficar só acompanhando a série mesmo... Talvez leia os livros mais pra frente.
Beijos
Balaio de Babados

Reply
avatar