Resenha: A Amiga Genial (Série Napolitana #1) [Elena Ferrante]

setembro 12, 2017 2 Comments A+ a-

(Fonte: The Styland)

Olá gente linda!

E cá estou com mais uma resenha. Como de costume vou começar como topei com esse livro, que na verdade é o primeiro volume da tetralogia Napolitana da escritora italiana Elena Ferrante.

A Amiga Genial foi um dos livros que descobri sem querer, em uma das minhas horas quase inúteis passeando pelo meu feed do Facebook. Uma grande amiga minha (ela nem sabe que a ‘culpa’ é dela) publicou a entrevista da autora para o El País na época do lançamento do quarto e último volume da série (para quem quiser ler a entrevista aqui está o link: Elena Ferrante - El País).

Elena Ferrante na verdade é um pseudônimo que a autora utiliza desde o lançamento do seu primeiro livro em 1992. É também desde essa época que a autora se mantém no completo anonimato: são apenas seus editores italianos que a conhecem.

“Faz pelo menos trinta anos que ela me diz que quer sumir sem deixar rastro, e só eu sei o que isso quer dizer. Nunca teve em mente uma fuga, uma mudança de identidade, o sonho de refazer a vida noutro lugar. (...) Seu objetivo sempre foi outro: queria volatilizar-se, queria dissipar-se em cada célula, e que ninguém encontrasse o menor vestígio seu”.
[Elena Ferrante, A Amiga Genial]

O enredo de A Amiga Genial começa quando Elena Grecco - Lena descobre que sua amiga de infância Rafaella Cerullo - Lila some. Lena já sabia que Lila tinha em mente um sumiço sem deixar rastros com direito a cortar sua imagem de todas as fotografias. Lena percebe que não tem nenhum objeto que a recorde de sua amizade com Lila, apenas as lembranças.

Munida de suas memórias Lena decide colocar no papel a história dessa amizade que começou durante a infância. A Amiga Genial é a primeira parte do livro escrito por Lena sobre essa amizade e começa na infância quando as duas se conhecem e termina no fim da adolescência. Tem como pano de fundo a Itália dos anos 1940 e 1950, mais precisamente um bairro periférico da cidade de Nápoles.

Elena Ferrante tem um jeito maravilhoso de escrever. Sua escolha de palavras transforma o texto em uma melodia, dando vontade de grifar dezenas de citações apenas porque são bonitas. A narrativa é estruturada de maneira muito simples tendo uma sequência bastante parecida para as duas partes do livro (Infância e Adolescência). No entanto, o que de início parece confuso com os acontecimentos não estando em ordem e podendo confundir a linha do tempo é na verdade uma maneira de mostrar as causas e consequências de cada momento. Tudo está no livro por um motivo, mesmo que ele de início possa parecer estranho e fora de contexto.

 Tudo isso fez com que a leitura do livro me prendesse o início ao fim e com gostinho de quero mais (o que nesse caso é ótimo, porque esse é apenas o primeiro de quatro livros!).

Por se tratar da  infância e adolescência a história apresenta temáticas comuns a esses períodos.

Como o fato de que quando pequenos consideramos o mundo muito pequeno e que a cada etapa da nossa fase de amadurecimento esse mundo vai se ampliando. No caso de Lena e Lila, boa parte da infância se restringe ao bairro em que elas moram, e aos poucos descobrem a existência do restante da cidade, do mar.

Paralelamente ao entendimento das complexidades do mundo e como a sociedade funciona, que não se vê tudo preto no branco e que há uma variedade de tons de cinza que são válidos também. A importância da escola nesse processo de descobertas, da criação de um pensamento crítico. Lena é uma das poucas crianças que continua os estudos e fica bastante nítido o contraste com os outros de sua idade.

O processo e a montanha russa que é tornar-se mulher. Com a descoberta da sexualidade, a loucura dos hormônios, a estranheza das mudanças corporais, os primeiros amores.

E também como a amizade de Lena e Lila foi se desenvolvendo nesse primeiros anos de suas vidas. O que me chamou a atenção foi a relação que Lena tinha com a Lila, como ela pautava suas ações, sucessos e incertezas em função da amiga. Creio que cada um temos de alguma maneira uma Lila em nossas vidas, ou partes de Lila representadas nas pessoas com as quais nos relacionamos.

“Ela era assim, rompia equilíbrios somente para ver de
que outro modo poderia recompô-los”.
[Elena Ferrante, A Amiga Genial]

Acabou o livro e eu estou empolgada para ler as continuações.
E vocês já conheciam a obra da autora? Ficaram curiosos pra conferir? Ou já leu?
Deixa um comentário!


(Edição lida)
Título: A Amiga Genial (Série Napolitana #1)
Autora: Elena Ferrante
Editora: Biblioteca Azul
Lançamento: 2011
Páginas: 336
ISBN: 97-885-250-6060-0

27 anos, arquiteta, restauradora e nas horas vagas fotógrafa e masterchef. Bookaholic morando nas terras do Tolkien, Lewis, Rowling, Dahl, Carrol.

2 comentários

Write comentários
13 de setembro de 2017 11:01 delete

Gente, chocada com esse pseudônimo.
Achei interessante a premissa da história, mas por agora não seria prioridade.
Beijos
Balaio de Babados
Participe do sorteio de aniversário do Balaio de Babados e O que tem na nossa estante

Reply
avatar
13 de setembro de 2017 15:11 delete

Oi Aline! Tudo bem?

Nunca havia visto antes nenhuma obra deste pseudônimo, acho que não foi por falta de oportunidade e sim porque alguns livros se escondem. Deveras adorei a obra e a harmonia que as crianças trazem para ela é ótima, bem original. Adorei as capas também!

Ótima resenha! ;)

Venha visitar meu site.

Grande abraço,
www.cafeidilico.com

Reply
avatar