Resenha: Uma Dobra No Tempo, Madeleine L'Engle


Eu costumo lembrar de como cada um dos livros que li me foram introduzidos, seja por recomendação de amigos, como resultado de uma tarde preguiçosa numa livraria, escutando podcasts. Uma Dobra No Tempo de Madeleine L’Engle  não foi diferente.

O livro que foi publicado pela primeira vez em 1962, ganhou a Medalha Newbury em 1963, Sequoyah Book Award e o Lewis Carroll Shelf Award. Considerado um clássico da literatura infantil surgiu na minha estante por conta da adaptação da Disney para o cinema pela diretora Ava DuVernay e que tem um trailer maravilhoso. Precisei descobrir de que se tratava esse livro que até então era um completo desconhecido para mim.


Uma Dobra no Tempo é um livro de fantasia e ficção científica para crianças. Conta a história de Meg Murry, uma garota de 13 anos prestes a entrar no ensino médio e que está lidando com o desaparecimento do pai, físico que sumiu sem deixar vestígios enquanto trabalhava. Meg está indo mal na escola, apesar de ser muito inteligente e ser um gênio em matemática.

Em uma noite de tempestade, quando Meg, sua mãe, Dra Kate Murry e seu irmão mais novo Charles Wallace estão reunidos na cozinha uma visitante incomum se une ao trio. Senhora Whatsit é descrita mulher idosa vestida com dezenas de camadas de roupas e na conversa confirma para a mãe que as pesquisas dela e de Dr Alexander Murry estavam corretas e que o tesseract é real.

Meg e Charles Wallace se perguntam o que é esse tal de tesseract (que no livro eles descobrem bem depois do trailer do filme), que é essa tal de dobra no tempo e o qual a relação do seu pai com tudo isso. Quando ambos decidem visitar a Senhora Whatsit em sua casa na floresta, onde mora com suas amigas Senhora Who e Senhora Which, encontram o jovem Calvin O’Keefe que se junta a eles na visita.

É a partir daí que os três embarcam numa aventura pelo espaço e pelo tempo para descobrir o que aconteceu com o pai de Meg e Charles Wallace. Guiados pelas senhoras W’s o trio se coloca numa missão de salvar o Dr. Murry de um ser maligno que está dominando o universo.

Madeleine L’Engle nos apresenta a paisagens incríveis, seres fantásticos, sensações e uma heroína que fará de tudo para reunir a família. Um universo que é a base para o visual deslumbrante do trailer.

“We look not at things which are what you could call seen, but at the things which are not seen.For the things which are seen are temporal.But the things which are not seen are eternal”.

O livro é extremamente rápido de ler, por ser de uma linguagem simples, porque afinal é um livro infantil. Me lembrou muito a sensação em ler As Crônica de Nárnia pela primeira vez. O livro me encantou. Gostaria de ler mais detalhes, de ver um aprofundamento maior das teorias, das relações dos personagens, mas sei que se trata de um livro para crianças. Terminei a leitura feliz, e com a certeza de que se tivesse lido quando tinha 10 anos ele teria se tornado um dos meus favoritos.

Agora, estou esperando ansiosamente pela estréia da adaptação nos cinemas no dia 29 de março.

E quanto a vocês, curiosos pelo filme? Já conheciam o livro?
Deixe seu comentário!

(Edição lida)
Título: A Wrinkle in Time (Time Quintet #1)
Autora: Madeleine L’Engle
Editora: Square Fish
Lançamento: 2007
Páginas: 247
ISBN: 97-803-123-6754-1

1 comentários:

  1. Olá, boa tarde ^^
    Estou super curiosa pra ler este livro. Ganhei ele no finalzinho do ano passado e já o coloquei na minha meta de leituras deste ano pois me chamou muito a atenção tanto pelo tema (ficção científica, amo <3) quanto pela sinopse. Sem falar que o trailer do filme me deixou bem curiosa, então mal posso esperar para ler e para assistir a adaptação *-*

    Beijinhos e boas leituras.
    Isabelle - Attraverso le Pagine

    ResponderExcluir